Notícias

dietas-1-1200x800.jpg
20/ago/2019

O que câncer tem a ver com vida saudável ? Tudo!!! Este estudo do JAMA Oncology, reconhecido Jornal Internacional de Oncologia, demonstrou que mulheres com câncer de mama, que mantinham dietas com pouca gordura, viveram mais.

Resultados   Das 1764 mulheres diagnosticadas com câncer de mama durante o período de intervenção dietética, a idade média (DP) no rastreamento foi de 62,7 (6,7) anos e a idade no momento do diagnóstico foi de 67,6 (6,9) anos. Com 516 mortes totais, a sobrevida global do câncer de mama foi significativamente maior para as mulheres no grupo de intervenção dietética do que no grupo de comparação de dieta habitual (sobrevida em 10 anos de 82% e 78%, respectivamente; hazard ratio [HR], 0,78; % CI, 0,65-0,94; P  = 0,01). No grupo dietético houve menos mortes por câncer de mama (68 vs 120; HR, 0,86; IC 95%, 0,64-1,17), outros cânceres (36 vs 65; HR, 0,76; IC 95%, 0,50-1,17), e doença cardiovascular (27 vs 64; HR, 0,62; IC 95%, 0,39-0,99).

Conclusões e Relevância   Em mulheres que receberam um diagnóstico de câncer de mama durante o período de intervenção dietética, aquelas no grupo de dieta aumentaram a sobrevida global. O aumento deve-se, em parte, a uma melhor sobrevivência de várias causas de morte.

 

Confira (texto em inglês):

https://jamanetwork.com/journals/jamaoncology/article-abstract/2682190 


idoso-exercicio-fisico.jpg
20/ago/2019

Na Austrália, a organização preferida dos profissionais da área de câncer, a Clinical Oncology Society of Australia (COSA), Sociedade Australiana de Oncologia Clínica (tradução livre), declarou uma nova diretriz, onde os oncologistas e outros profissionais ligados ao tratamento da doença, devem prescrever aos seus pacientes rotinas de exercícios físicos e/ou encaminhá-los a professores de educação física.

  • Pelo menos 150 minutos de intensidade moderada ou 75 minutos de exercício aeróbico de intensidade vigorosa (por exemplo, caminhada, corrida, ciclismo, natação) todas as semanas e
  • Duas ou três sessões de exercícios resistidos (por exemplo, levantando pesos) a cada semana envolvendo exercícios de intensidade moderada a vigorosa visando os principais grupos musculares

O exercício deve ser adaptado às habilidades do indivíduo, aos efeitos adversos relacionados ao tratamento, à trajetória antecipada da doença e ao estado de saúde, acrescenta.

“A noção de que devemos proteger um paciente, envolvê-los em algodão, é antiquada e não é apoiada pela pesquisa”, disse David Speakman, MD, diretor médico do MacCallum Cancer Center, em uma reportagem australiana .

“Estamos em um ponto em que o nível de evidência é realmente indiscutível e a retenção de exercícios é provavelmente prejudicial”, disse Cormie na mesma reportagem.

A nova orientação australiana comenta que a “evidência mais forte” para o uso do exercício está na melhora da função física (como aptidão aeróbica, força muscular e capacidade funcional), atenuando a fadiga relacionada ao câncer, aliviando o sofrimento psicológico e melhorando a qualidade de vida. .

“Evidência emergente” indica que o exercício regular antes, durante e após o tratamento do câncer diminui a gravidade de outros efeitos colaterais adversos (além da fadiga e da angústia) e está associado à redução do risco de desenvolver novos cânceres, dizem os autores das diretrizes.

Além disso, a pesquisa epidemiológica “sugere” que a atividade física protege contra a recidiva do câncer, a mortalidade específica por câncer e a mortalidade por todas as causas para alguns tipos de câncer. Os autores australianos salientam que esta pesquisa é principalmente em câncer de mama, colo-retal e próstata.

Mais uma evidência da importância de se manter uma rotina com  inclusão de exercícios físicos regulares.


running-573762_640.jpg
20/ago/2019

Estudo apresentado recentemente na American Association for Cancer Research (AACR), Associação Americana de Pesquisa do Câncer (tradução livre), evidencia que, para alguns tipos da doença, pacientes que praticam exercício físico regularmente, antes e após o tratamento, têm 40% mais probabilidade de sobreviver em comparação aos sedentários, de acordo com novas descobertas.

Os pacientes que informaram não fazer nenhum tipo de atividade física na década anterior ao diagnóstico, e depois informaram fazer alguma atividade física em torno do momento do diagnóstico e após o mesmo, tiveram uma melhora impressionante de 25% a 28% da sobrevida em comparação com os que continuaram inativos.

Mais benefícios da atividade física contra o câncer

Sono: a sensação de relaxamento após o esforço físico facilita o adormecer e melhora a qualidade do sono.

Disposição: sacudir a poeira é uma das principais maneiras de afastar a fadiga típica da quimioterapia.

Peso: ao contrário do que se pensa, vítimas do câncer podem engordar. E o exercício queima calorias.

Dor: os incômodos são aplacados com as substâncias analgésicas liberadas pelo esporte.

 

Veja, a seguir, táticas para se manter ativo em meio à luta contra o câncer:

O calendário: veja como se sente após uma sessão do tratamento e se exercite nos dias em que os sintomas abrandarem.

A expectativa: concentre-se mais nos benefícios da atividade contra o tumor e menos – bem menos – no desempenho.

Os cuidados: se a doença se espalha para o fêmur, por exemplo, é bom não sobrecarregar a perna. Respeite as limitações impostas pelo médico.

A supervisão: o ideal é programar os treinos junto a educadores físicos e outros profissionais com experiência em oncologia.


cancer-de-mama-como-fazer-o-autoexame06-4-thumb-570.jpg
20/ago/2019

Mesmo com toda a divulgação na mídia, especialmente no Outubro Rosa, sobre a importância de realização do exame de mamografia, a Sociedade Brasileira de Mamografia divulgou dados alarmantes.

Em 2017,  nas mulheres da faixa etária entre 50 e 69 anos, atendidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS), eram esperadas 11,5 milhões de mamografias e foram realizadas apenas 2,7 milhões, uma cobertura de 24,1%, bem abaixo dos 70% recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS).  A estatística é a menor dos últimos cinco anos.

Para maiores informações, acesse:

https://sboc.org.br/noticias/item/1250-cobertura-de-mamografia-fica-em-24-1-no-brasil-bem-baixo-dos-70-recomendados


marca-branca

O Incon oferece avançado tratamento oncológico, com equipe multidisciplinar especializada, aliada a instalações agradáveis, amplas e seguras. O Centro é norteado pelo modelo de gestão C.A.R.I.N.H.O. que é baseado em ciência, eficiência e humanização.


Clinica Incon 2018 - Todos os Direitos são reservados.